Erich Fromm – The Art of LovingErich Fromm – El Arte de AmarErich Fromm – L’art d’aimerErich Fromm – A Arte de AmarИскусство любитьErich Fromm – Arti i dashur爱的艺术

On Giving and Receiving

Giving produces more happiness than receiving, not because of deprivation but rather because in the act of giving is the expression of my vitality… In the sphere of material things, giving signifies being rich. He that has a lot is not nearly as rich as he that gives a lot. 

On the Objects of Love

Love is not essentially a relationship with a specific person; it is an attitude, an orientation of the  character that determines the type of relationship that a person has with the entire world, not with a single “object” of love. If a person only loves one other person and is indifferent to the rest of his fellow men, his love is not true love, but rather a symbiotic relationship, or an amplified selfishness.

On Fraternal Love

The most fundamental kind of love, basic in all types of love, is fraternal love. By this, one understands a sense of responsibility, care, respect and knowledge with respect to any other human being, the desire to promote his or her life… if I have developed the ability to love, I cannot avoid loving my brothers… this is based on the experience that we are all one. The differences in talent, intelligence and knowledge, are negligible compared with the identity of human essence that is common to all men.

On Maternal Love

The narcissistic, dominating and possessive woman can be a “loving” mother while her child is young. Only the mother that truly loves, the woman that is happier giving than receiving, that is firmly planted in her own existence, can be a loving mother when her child in in the process of separation.

Maternal love for the growing child, love which desires nothing for the self, may be the most difficult form of love to achieve, and also the trickiest, because of the ease with which a mother can love her young child. But precisely due to the said difficulty, a woman can only truly be a loving mother if she can love; if she can love her husband, other children, strangers, and all human beings.

On Erotic Love

… the longing of complete fusion, of union with another person. By its very nature, it is exclusive and not universal; it is also, perhaps, the trickiest form of love that exists.

In the first place, it is easily confused with the explosive experience of “falling in love”, the hasty removal of barriers that existed prior to this moment between two strangers. But such an experience of sudden intimacy is, by its very nature, of short duration. When the stranger has been converted to an intimately-known person, there are no more barriers to overcome, no more sudden closening to achieve. One gets to know the “loved” person as much as one knows oneself. Or, perhaps, it would be better to say as little. If the experience of the other person were more profound, if one could experience the infinite depth of the other’s personality, they would never seem so familiar–and the miracle of taking down barriers would renew itself daily. But for the majority of the people, the self as well as others, seem to be rapidly explored to exhaustion. For them, intimacy is principally established through sexual contact. Because they experience separation from the other fundamentally as a physical separation, a physical union means overcoming separation.

If the desire for physical union is not stimulated by love, if the erotic love is not at the same time fraternal, this will never lead to unity except in a transitory, orgiastic sense.

Erotic love, if it is true love, has a premise. To love from the essence of the being–and to experience the other person in the essence of their being. In essence, all human beings are identical.

On Tenderness

Tenderness is in no way, as Freud believed, a sublimation of the sexual instinct; it is the direct product of fraternal love, and exists equally in physical forms of love and in the non-physical forms.

On Lovers

At the beginning of a relationship, the lovers “consider the intensity of their passion, that being crazy for one another, as a proof of the intensity of their love, when it only shows the degree of their prior loneliness.”

On Marriage

To love someone is not merely a powerful feeling–it is a decision, it is a choice, a promise. If love were not more than a feeling, there would not be any basis for the promise of eternal love. A feeling begins and it may disappear. How can I judge that it will endure eternally, if my act does not imply a deliberation and decision?

Taking these points of view in to account, one may arrive at the conclusion that love is exclusively an act of will and a commitment.

On Selfishness

The selfish person is only interested in himself, desires everything for himself, does not feel pleasure in giving, but rather only in taking… judges others based on their utility; is basically incapable of lovingSelfishness and love for oneself, far from being identical, are really opposites. The selfish individual does not love himself too much, but rather too little; in reality, he hates himself.

Freud sustained that the selfish person is narcissistic, as though he denies his love to other and instead directs it toward himself. It is true that selfish people are incapable of loving others, but they are also unable to love themselves.

On Sexual Satisfaction

Love is not the result of adequate sexual satisfaction; on the contrary, sexual satisfaction–and even knowledge of the so-called sexual techniques–is the result of love. If any proof other than daily observation were necessary to support this thesis, these could be found in the vast material of psycho-analytic data. The study of the most frequent sexual problems–frigidity in women and the more and less serious forms of psychic impotence in men–, demonstrates that the cause is not rooted in a lack of knowledge of an adequate sexual technique, but rather in the inhibitions that impede loving. Fear or hatred of the opposite sex are at the root of difficulties that impede a person from surrendering completely… If a sexually-inhibited person can let go of his or her fear or hatred, and thus become capable of loving, their sexual problems are resolved. If not, then no knowledge of sexual techniques will help.

Sobre El Dar y Recibir

Dar produce mas felicidad que recibir, no porque sea una privacion, sino porque en el acto de dar esta la expresion de mi vitalidad… En la esfera de las cosas materiales, dar significa ser rico. No es rico el que tiene mucho, sino el que da mucho.

Sobre Los Objetos Amorosos

El amor no es esencialmente una relacion con una persona especifica; es una actitud, una orientacion del caracter que determina el tipo de relacion de una persona con el mundo en totalidad, no con un “objeto” amoroso. Si una persona ama solo a otra y es indiferente al resto de sus semejantes, su amor no es amor, sino una relacion simbiotica, o un egotismo ampliado.

Sobre El Amor Fraternal

La clase mas fundamental de amor, basica en todos los tipos de amor, es el amor fraternal. Por el se entiende el sentido de responsabilidad, cuidado, respeto y conocimiento con respecto a qualquier otro ser humano, el deseo de promover su vida… si he desarrollado la capacidad de amar, no puedo dejar de amar a mis hermano… se basa en la experiencia de que todos somos uno. Las diferencias en talento, inteligencia, conocimiento, son despreciables en comparacion con la identidad de la esencia humana comun a todos los hombres.

Sobre El Amor Maternal

La mujer narcisista, dominadora y posesiva puede llegar a ser una madre “amante” mientras el niño es pequeño. Solo la mujer que realmente ama, la mujer que es mas feliz dando que tomando, que esta firmemente arraigada en su propia existencia, puede ser una madre amante cuando el niño esta en proceso de la separacion.

El amor  maternal por el niño que crece, amor que no desea nada para si, es quiza la forma de amor mas dificil de lograr, y la mas engañosa, a causa de la facilidad con que una madre puede amar a su pequeño. Pero precisamente debido a dicha dificultad, una mujer solo puede ser una madre verdaderamente amante si puede amar; si puede amar a su esposo, a otros niños, a los extraños, a todos los seres humanos.

Sobre El Amor Erotico

… el anhelo de de fusion completa, de union con una unica otra persona. Por su propia naturaleza, es exclusivo y no universal; es tambien, quiza, la forma de amor mas engañosa que existe.

En primer lugar, se lo confunde facilmente con la experiencia explosiva de “enamorarse”, el subito derrumbe de las barreras que existian hasta ese momento entre dos desconocidos. Pero tal experiencia de repentina intimidad es, por su misma naturaleza, de corta duracion. Cuando el desconocido se ha convertido en una persona intimamente conocida, ya no hay mas barreras que superar, ningun subito acercamiento que lograr. Se llega a conocer a la persona “amada” tan bien como a uno mismo. O, quiza, seria mejor decir tan poco. Si la experiencia de la otra persona fuera mas profunda, si se puediera experimentar la infinitud de su personalidad, nunca nos resultaria tan familiar–y el milagro de salvar las barreras podria renovarse a diario. Pero para la mayoria de la gente, su propia persona, tanto como las otras, resulta rapidamente explorada y agotada. Para ellos, la intimidad se establece principalmente a traves del contacto sexual. Puesto que experimentan la separatidad de la otra persona fundamentalmente como separatidad fisica, la union fisica significa superar la separatidad.

Si el deseo de la union fisica no esta estimulado por el amor, si el amor erotico no es a la vez fraterno, jamas conduce a la union salvo en un sentido orgiastico y transitorio.

El amor erotico, si es amor, tiene una premisa. Amar desde la esencia del ser–y vivenciar a la otra persona en la esencia de su ser. En esencia, todos los seres humanos son identicos.

Sobre La Ternura

La ternura no es en modo alguno, como creia Freud, una sublimacion del instinto sexual; es el producto directo del amor fraterno, y existe tanto en las formas fisicas del amor como las no fisicas.

Sobre Los Amantes

Al comienzo de una relacion, los amantes “consideran la intensidad del apasionamiento, ese estar locos el uno por el otro, como prueba de la intensidad de su amor, cuando solo muestra el grado de su soledad anterior.”

Sobre El Matrimonio

Amar a alguien no es meramente un sentimiento poderoso–es una decision, es un juicio, es una promesa. Si el amor no fuera mas que un sentimiento, no existirian bases para la promesa de amarse eternamente. Un sentimiento comienza y puede desaparecer. Como puedo yo juzgar que durara eternamente, si mi acto no implica juicio y decision?

Tomando en cuenta esos puntos de vista, cabe llegar a la conclusion de que el amor es exclusivamente un acto de la voluntad y un compromiso.

Sobre El Egoismo

La persona egoista solo se interesa por si misma, desea todo para si misma, no siente placer en dar, sino unicamente en tomar… juzga a todos segun su utilidad; es basicamente incapaz de amarEl egoismo y el amor a si mismo, lejos de ser identicos, son realmente opuestos. El individuo egoista no se ama demasiado, sino muy poco; en realidad, se odia.

Freud sostiene que el egoista es narcisista, como si negara su amor a los demas y lo dirigiera hacia si. Es verdad que las personas egoistas son incapaces de amar a los demas, pero tampoco pueden amarse a si mismas.

Sobre La Satisfaccion Sexual

El amor no es el resultado de la satisfaccion sexual adecuada; por el contrario, la felicidad sexual–y aun el conocimiento de la llamada tecnica sexual–es el resultado del amor. Si aparte de la observacion diaria fueran necesarias mas pruebas en apoyo de esa tesis, podrian encontrarse en el vasto material de los datos psicoanaliticos. El estudio de los problemas sexuales mas frequentes–frigidez en las mujeres y las formas mas o menos serias de impotencia psiquica en los hombres–, demuestra que la causa no radica en una falta de conocimiento de la tecnica adecuada, sino en las inhibiciones que impiden amar. El temor o el odio al otro sexo estan en la raiz de las dificultades que impiden a una persona entregarse por completo… Si una persona sexualmente inhibida puede dejar de temer u odiar, y tornarse entonces capaz de amar, sus problemas sexuales estan resueltos. Si no, ningun conocimiento sobre tecnicas sexuales le sirvira de ayuda.

Sobre o Dar e Receber

Dar produz mais felicidade do que receber, e não porque é uma privação, mas porque no ato de dar é a expressão da minha vida … Na esfera das coisas materiais, dar significa ser rico. Não é rico o que têm muito, mas o que dá muito.

Sobre Os Objetos de Amor

O amor não é primariamente um relacionamento com uma pessoa específica, é uma atitude, uma orientação de caráter que determina o tipo de relacionamento de uma pessoa com o mundo inteiro, e não um “objeto” amoroso. Se uma pessoa ama apenas um outro e é indiferente para o resto de seus companheiros, o seu amor não é amor, mas uma relação simbiótica, ou um egoísmo ampliado.

Sobre O Amor Fraternal

O tipo mais fundamental do amor, básica em todos os tipos de amor, é o amor fraternal. Por meio do senso de responsabilidade, respeito, cuidado e conhecimento a respeito de qualquer outro ser humano, o desejo de promover a sua vida … se eu desenvolvi a capacidade de amar, eu não posso parar de amar o meu irmão … baseia-se na experiência de que somos todos um. As diferenças de talento, inteligência, conhecimento, são negligenciáveis ​​em comparação com a identidade da essência humana comum a todos os homens.

Sobre O Amor Materno

A mulher narcisista, dominadora e possessiva pode se tornar uma mãe “amante” enquanto a criança é jovem. Somente a mulher que realmente ama, a mulher que está mais feliz dando que tomando, que está firmemente enraizada em sua própria existência, pode ser uma mãe amorosa, quando a criança está em processo de separação.

O amor materno para a criança crescer, o amor que não quer nada para si, é, talvez, a forma mais difícil de amor para alcançar, e a mais enganosa, por causa da facilidade com que uma mãe pode amar seu filho jovem. Mas, precisamente por causa desta dificuldade, uma mulher só pode ser uma mãe verdadeiramente amorosa se pode amar, se pode amar seu marido, outras crianças, estranhos, a todos os seres humanos.

Sobre o amor erótico

… o anseio de fusão completa, de união com uma única outra pessoa. Por sua própria natureza, é exclusiva e não universal, também é talvez a forma mais ilusória de amor que existe.

Em primeiro lugar, é facilmente confundida com a experiência explosiva de “apaixonar-se”, o colapso repentino das barreiras que existiam até aquele momento entre dois estranhos. Mas essa experiência de intimidade súbita é, por sua própria natureza, de curta duração. Quando o estranho se tornou uma pessoa intimamente conhecida, não há mais barreiras a superar, para fazer qualquer abordagem repentina. Você começa a conhecer a pessoa “amada”, tam bem como a si mesmo. Ou, talvez, seria melhor dizer tam pouco. Se a experiência da outra pessoa fora mais profunda se puediera experimentar a infinidade de sua personalidade, nunca seria tão familiar – e o milagre de superar as barreiras poderiam ser renovada diariamente. Mas para a maioria das pessoas, o seu próprio pessoa, assim como os outros, é rapidamente explorada e esgotada. Para eles, a intimidade é estabelecida principalmente através do contato sexual. Como eles experimentam da separação da outra pessoa principalmente como separação física, a união física significa para eles superar a separação.

Se o desejo de união física não é estimulado pelo amor, se o amor não é tanto erótico e fraterna,  nunca leva à a união exceto em um sentido orgiástico e transitório.

O amor erótico, se é amor, tem uma premissa. Amar a partir da essência do ser – e experimentar a outra pessoa na essência do seu ser. Em essência, todos os seres humanos são idênticos.


Sobre A Ternura

Ternura não é de forma alguma, como Freud acreditava, uma sublimação do instinto sexual, é o produto direto do amor fraterno, e há em ambas as formas de amor, física e não-física.

Sobre Amantes

No início de uma relação, as amantes consideram a intensidade de sua paixão, isso de ser loucos um pelo outro, como prova da intensidade de seu amor, quando apenas mostra a extensão da sua solidão diante.

Sobre o casamento

Amar alguém não é apenas um sentimento poderoso – é uma decisão, um julgamento, é uma promessa. Se o amor fosse só um sentimento, não haveria base para a promessa de amar para sempre. Um sentimento começa e pode desaparecer. Como eu posso julgar que durara para sempre, se o meu ato não envolve julgamento e decisão?

Sobre o egoísmo

O egoísta só se preocupa com si mesmo, quer tudo para si, não tem prazer em dar, mas apenas para tomar… todos os juízes de acordo com a sua utilidade; é basicamente incapaz de amar… Egoísmo e amor-próprio, longe de ser idênticos, são realmente opostos. O indivíduo egoísta não ama muito, mas muito pouco, na verdade, ele odeia si mesmo.

Freud sustenta que o egoísta é narcisista, como se a negar o seu amor para os outros e dirigido para si mesmo. É verdade que as pessoas egoístas são incapazes de amar os outros, mas eles nem podem se amar.


Sobre a satisfação sexual

O amor não é o resultado de satisfação sexual adequada, ao contrário, a felicidade sexual – e até mesmo o conhecimento da chamada técnica sexual – é o resultado do amor. Se além da observação diária eram necessárias mais provas para apoiar essa tese, poderiam ser encontradas no material vasto de dados psicanalíticos. O estudo dos mais freqüentes problemas sexuais – frigidez na mulher e formas mais ou menos graves de impotência psíquica nos homens – mostra que a causa não está na falta de conhecimento da técnica adequada, mas inibições que impedem o amor. O medo ou ódio do outro sexo estão na raiz das dificuldades que impedem uma pessoa entregar-se completamente… Se uma pessoa sexualmente inibida pode parar o medo ou ódio, em seguida, tornar-se capaz de amar, as problemas sexuais são resolvidas. Se não, nenhum conhecimento de técnicas sexuais ajudará.